RS tem regional da ABCPública

Primeira reunião oficial da ABCPública Rio Grande do Sul. Da esquerda para a direita, Jéfferson Curtinovi (Ministério Público Federal e coordenador da regional da ABCPública no RS), Adriana Langon (Ministério Público Federal), Lisiane Dias (associada, consultora em comunicação pública) e Rita Becco (prefeitura de Porto Alegre).

Acompanhe a transmissão do evento da ABCPública em GO

Evento é transmitido pela página da ABCPública no Facebook

Está sendo transmitido ao vivo o debate promovido pela ABCPública em Goiânia, por meio da seção regional da entidade, sobre transparência e comunicação com a professora Nelia Del Bianco, vinculada aos programas de pós-graduação da Universidade de Brasília (UNB) e da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Também participam do debate os jornalistas Lincoln Macário, presidente da ABCPública, e Jorge Duarte, diretor de Relações Acadêmicas da ABCPública e a coordenadora da associação em Goiás, Alessandra Lessa.

Acompanhe aqui:
https://www.facebook.com/abcpublica/

EBC unifica canais público e estatal e viola Constituição


A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) formalizou nesta terça-feira (9) a unificação da TV Brasil, principal canal público de televisão do país, com a emissora estatal NBR, que veicula atos e informações do governo federal. A medida consta na Portaria nº 216, assinada pelo presidente da empresa pública de comunicação, Alexandre Graziani Jr. O ato, que já havia sido anunciado pelo governo há algumas semanas, constitui-se numa flagrante violação do princípio constitucional da complementaridade entre os sistemas público, privado e estatal de comunicação, expresso no artigo 223 da Carta Magna, e pode indicar prevaricação da direção da empresa. Trata-se de um verdadeiro aparelhamento da emissora pelo governo Jair Bolsonaro, na intenção de criar uma mera agência de propaganda governamental. 

Na prática, ao juntar as duas emissoras, mesclando programações com finalidades distintas em uma só, o governo enterra o projeto de comunicação pública com foco no cidadão e pautado pela pluralidade, diversidade e independência de conteúdo. A “nova” TV Brasil que resulta dessa fusão enxerta, no que deveria ser uma emissora pública, uma programação com forte apelo governamental, tendo boa parte do conteúdo marcadamente chapa-branca, auto-referenciado no governo e sem qualquer tipo de participação social, muito menos autonomia e independência editorial.  Com isso, o Brasil distancia-se ainda mais das paradigmáticas experiências de comunicação pública em países de democracia avançada, nos quais as emissoras públicas buscam desenvolver conteúdos que reflitam a diversidade da população, estimulem a reflexão e o debate público, e apresentem uma variedade de formatos e gêneros, indo além do que é oferecido pelos meios de comunicação comerciais.  Em um toque de desfaçatez, a Portaria que unifica emissoras pública e estatal, acabando com a complementaridade entre os dois sistemas, invoca esse mesmo princípio, contido no artigo 223 da Constituição Federal, para justificar a medida, que vai exatamente na contra-mão do que esse dispositivo legal determina. A Portaria ainda desrespeita a própria lei da EBC em vigor, que prevê a “autonomia em relação ao Governo Federal para definir produção, programação e distribuição de conteúdo no sistema público de radiodifusão” (inciso VIII, parágrafo 2º, da Lei 11652/2008).  A esse episódio de desmonte, juntam-se outros ataques que a EBC vem sofrendo nos últimos anos, que incluem a extinção do Conselho Curador, colegiado que garantia a participação da sociedade na definição da programação das emissoras públicas, além da eliminação do mandato do diretor-presidente da empresa, mecanismo que assegurava maior autonomia em relação aos governos de plantão. Essas duas mudanças, aliás, já foram consideradas, em nota técnica da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal (MPF), como inconstitucionais e, portanto, passíveis de questionamento judicial, por enfraquecerem a independência das emissoras públicas e torná-las vulneráveis aos desmandos e manipulação por parte do governo.  A nova programação divulgada pela emissora é mais uma demonstração do desrespeito pela previsão constitucional. Boletins com notícias do governo irão ao ar de hora em hora e ocuparão ao menos 15 minutos do jornal noturno da TV, o Repórter Brasil. O jornal da manhã foi extinto, em seu lugar entrará um noticiário do governo, o “Brasil em Dia”, acompanhado de um semanal de entrevistas com integrantes do governo Bolsonaro. Ainda estão previstos especiais sobre a Marinha e do Exército em plena programação da emissora pública. Em contrapartida, programas como “Estação Plural”, apresentado por pessoas LGBTs, saiu do ar, bem como outros programas de ampla reflexão social. Além disso, as emissoras da EBC vem sofrendo com fechamento de retransmissoras em diversos estados, sucateamento de equipamentos, censura de matérias ou conteúdos que desagradam o governo, entre outras arbitrariedades que atentam contra o direito à comunicação da população brasileira e violam o exercício da liberdade de expressão, uma garantia básica da democracia. A Frente em Defesa da EBC e da Comunicação Pública repudia mais esse gravíssimo retrocesso e convoca todas as organizações que defendem o direito à comunicação a lutarem, com todas as medidas cabíveis, pela restauração de um projeto de comunicação pública em linha com que preconizam a própria Constituição Federal e as melhores práticas internacionais do mundo democrático. Não nos calaremos.

Brasília, 10 de abril de 2019. 

Frente em Defesa da EBC e da Comunicação Pública
Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) 

Organizações que subscrevem a nota (por ordem alfabética) 
Associação Brasileira de Comunicação Pública (ABCPública)
Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária (Abraço)
Associação Mundial de Rádios Comunitárias (Amarc Brasil)
Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG)
Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)
Central Única dos Trabalhadores (CUT)
Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé
Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social
Ciranda – Comunicação Internacional Compartilhada
Comissão de Empregados da EBC
Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam)
Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee)
Confederação Nacional dos Trabalhadores em Ensino (CNTE)
Conselho Curador da EBC (cassado)
Dom da Terra AfroLGBTI
Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO-UFRJ)
Federação Interestadual dos Trabalhadores e Pesquisadores em Serviços de Telecomunicações (Fitratelp)
Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj)
Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social
Instituto de Desenvolvimento dos Direitos Humanos  (IDDH)
Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)
Plataforma de Direitos Humanos – Dhesca Brasil Portal Vermelho
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal (SJPDF)
Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo (SJSP) 
Sindicato dos Radialistas do Distrito Federal 
Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Rádio e Televisão no Estado de São Paulo
Terra de Direitos
Ulepicc-Brasil (União Latina de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura) 
União Brasileira de Mulheres (UBM)
União Brasileira dos Estudantes (UNE)
União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) 

Personalidades que subscrevem a nota (por ordem alfabética) 
Ana Flávia Marx – jornalista
Carlos Tibúrcio – jornalista, ex-coordenador da equipe de discursos dos presidentes da República Lula e Dilma
Conceição Lemes – jornalista
Débora Cruz – jornalista e ex-secretária adjunta de comunicação do Governo do Distrito Federal
Hildegard Angel – jornalista
Laurindo Lalo Leal Filho – ex-Ouvidor Geral da EBC
Lourdes Nassif – jornalista
Lúcia Rodrigues – jornalista
Olímpio Cruz Neto – ex-secretário de Imprensa da Presidência da República no governo Dilma Rousseff
Paulo Donizeti – jornalista
Renato Rovai – jornalista
Tereza Cruvinel – jornalista, ex-presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC)
Vanessa Martina Silva – jornalista 

Envie sua assinatura de apoiamento para o e-mail secretaria@fndc.org.br. 

Para ver a lista atualizada dos apoiadores acesse: www.fndc.org.br

Goiânia: ABCPública promove debate sobre transparência

A Associação Brasileira de Comunicação Pública (ABCPública) vai lançar a seção regional de Goiás com o debate “Transparência pública: estratégias de comunicação para o fortalecimento da democracia”. O evento será realizado pela Associação, com apoio da Agência Brasil Central e da  Secretaria de Estado de Comunicação do Governo de Goiás, no auditório Jaime Câmara, Palácio Pedro Ludovico, em Goiânia, no dia 12 de abril, das 9h às 12h.

Os palestrantes serão a professora Nelia Del Bianco (foto), vinculada aos programas de pós-graduação da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade Federal de Goiás (UFG), e Jorge Duarte, diretor da ABCPública e gerente de comunicação estratégica da Embrapa. Também participam o presidente da ABCPública, Lincoln Macário, e a coordenadora da associação em Goiás, Alessandra Lessa.

O evento é destinado a profissionais, pesquisadores e estudantes de comunicação. A entrada é gratuita, mas o número de participantes é limitado à capacidade do local. Para se inscrever, envie mensagem para o e-mail contato@abcpublica.org.br, informando nome, vinculação institucional e o CPF, para agilizar o ingresso no edifício.

A realização do evento não produz custos para a administração pública estadual uma vez que os palestrantes participarão do evento de forma colaborativa e a Associação arcará com os custos de deslocamento.

Recife tem regional da ABCPública

A ABCPública fez sua primeira reunião em Recife no dia 26 de março. Participaram (na foto, da esquerda para a direita) Gustavo Almeida (presidente da Empresa Pernambuco de Comunicação – EPC), Bruno Bastos (Ministério Público de PE), Andréa Corradini (associada, MP-PE) e Ana Paula Lucena, coordenadora da regional Pernambuco da Associação (UFRPE).

Judiciário lança campanha contra fake news

Neste 1º de abril (conhecido como Dia da Mentira), as redes do Poder Judiciário iniciam a campanha #FakeNewsNão, que tem como objetivo combater e alertar sobre o perigo de disseminar notícias falsas, as fake news, no ambiente digital.

A iniciativa, conduzida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), tem a parceria do Supremo Tribunal Federal (STF), de tribunais superiores e de associações de magistrados, e busca promover a divulgação de informações relevantes, de forma clara e transparente.

Ao falar sobre a ação, o presidente do CNJ e do STF, ministro Dias Toffoli, reafirmou que a democracia pressupõe Judiciário e imprensa livres. “Estamos iniciando campanha no Poder Judiciário, junto com as associações de magistrados, também em defesa da magistratura, porque não há Estado Democrático de Direito, não há democracia sem um Judiciário independente e sem uma imprensa livre. É fundamental que tenhamos essa percepção, da necessidade de termos um Judiciário que possa, num país infelizmente ainda tão desigual, garantir direitos e liberdades fundamentais”, afirmou Toffoli.

As peças serão veiculadas nas mídias sociais do Supremo, na Rádio Justiça, na TV Justiça, além das redes sociais do Superior Tribunal de Justiça (STJ), do Tribunal Superior do Trabalho (TST), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do Superior Tribunal Militar (STM) e de outros órgãos parceiros. O material apresentará desde dicas de como identificar uma fake news até exemplos reais de conteúdos divulgados pelas redes sociais.

Fonte: stf.jus.br

Congresso de Comunicação Pública reunirá profissionais de todo o país em SP

Evento é aberto a estudantes e a profissionais de órgãos da Justiça, do MP e outras organizações públicas

O maior evento do país voltado para profissionais de comunicação de instituições públicas do Sistema de Justiça reunirá, entre os dias 29 e 31 de maio, em São Paulo, centenas de jornalistas, publicitários e universitários de comunicação social.

O Congresso Brasileiro dos Assessores de Comunicação do Sistema de Justiça (Conbrascom) é uma iniciativa do Fórum Nacional de Comunicação e Justiça (FNCJ), que tem por objetivo promover o desenvolvimento de políticas e ações de comunicação voltadas ao esclarecimento do cidadão, além de contribuir para a democratização das instituições e o acesso à Justiça.

Apesar de direcionado a gestores e servidores que atuam em instituições que integram o Sistema de Justiça, o evento é aberto a estudantes e a profissionais de outras organizações, além de contar também com a participação de magistrados, procuradores, promotores, defensores públicos e representantes de associações.

Este ano, a 15ª edição do Congresso terá como temática principal a “Inovação, Criatividade e Diversidade em Comunicação Pública” e será sediado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Em três dias de encontro, especialistas em comunicação no Brasil e no mundo vão ministrar palestras, como “Comunicação que inspira e transforma”, “Inovar é preciso. Mas dá para fazer isso no serviço público?”, “Por que diversidade importa?” e “O papel da comunicação para uma Justiça acessível e inclusiva”.

Na última noite do evento também é realizada a cerimônia de entrega do Prêmio Nacional de Comunicação e Justiça, que reconhece os melhores projetos e trabalhos, inscritos no Prêmio, desenvolvidos pelas assessorias de comunicação integrantes do Sistema de Justiça.

A premiação, que comemora 17 anos, destaca trabalhos inscritos em 14 categorias, como mídia impressa, digital, radiofônica, social, publicação especial, fotografia, grande reportagem, programa de TV, comunicação interna, campanha institucional de interesse público, relacionamento com a mídia, artigo acadêmico, prêmio honorário e grande prêmio.

As inscrições online para participar do Conbrascom 2019 vão até 22 de maio de 2019. Clique aqui para acessar o site do evento.

Fonte: Conbrascom

Nove estados e o DF têm seções regionais da ABCPública

CE, GO, MT, MS, RS, PR, RO, SP e DF já contam com seções

A ABCPública começa uma nova fase com a criação de seções regionais para mobilizações, estudos e discussões sobre comunicação pública. Nove estados e o Distrito Federal já possuem seção. Na relação abaixo, em quais Estados as seções estão presentes e começando as articulações.

A ABCPública reúne e representa os comunicadores da área pública-governamental e do terceiro setor.

Fundada em 2016 por profissionais de diversos estados e do Distrito Federal, vem se consolidando como um espaço de reflexão, análise e debates sobre os desafios desse setor nas diversas instâncias (Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público) e esferas (federal, estadual e municipal).

Os associados da ABCPública têm acesso a conteúdos exclusivos e inéditos sobre a comunicação pública, além de descontos em eventos.

Veja aqui como fazer parte da ABCPública: https://abcpublica.org.br/associe-se/

Ceará
Ludmila Wambergna 
(Hospital Universitário Walter Cantídio)

Distrito Federal
 
Cláudia Lemos 
(Câmara dos Deputados) 

Goiás

Alessandra Lessa 
(Governo de Goiás)

Mato Grosso 
Gabriel Rezende Faria 
(Embrapa Sinop)

Juliana Carvalho
(Governo de Mato Grosso)

Mato Grosso do Sul
Clarice Fontes 
(Embrapa Dourados)

Rio Grande do Sul
Jéfferson Curtinovi 
(Ministério Público Federal)

Minas Gerais 
Lília Gomes 
(Ministério Público do Trabalho)

Marcílio Lana 
(Universidade Federal de Minas Gerais)

Paraná
Kátia Pischelli 
(Embrapa Curitiba)

Rondônia 
Renata Silva 
(Embrapa Porto Velho)

São Paulo
Eduardo Luís Correia 
Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)

Cartilha orienta jornalistas em casos de assédio on-line

Publicação da Abraji “Como lidar com assédio contra jornalistas nas redes”  está disponível para download

Recentes ataques coordenados a jornalistas nas redes têm ameaçado a liberdade de imprensa e afetado o cotidiano das vítimas, que nem sempre sabem como reagir ao assédio on-line. É nesse contexto que a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) lança a publicação Como lidar com assédio contra jornalistas nas redes. 

Com a cartilha, a organização pretende sensibilizar veículos, jornalistas, empresas de tecnologia, entidades ligadas ao jornalismo e à liberdade de expressão e autoridades policiais e da Justiça para a gravidade do assédio on-line, bem como enfatizar a necessidade de jornalistas e redações elaborar protocolos de defesa a esse problema. “Criamos esse material para que nossos associados e todos os jornalistas tenham um guia de referência rápida sobre como lidar com o assédio”, afirma.

No material disponível on-line e para download, há orientações práticas para lidar com ataques nas redes, além de recomendações que prezam pela privacidade dos jornalistas e por um uso consciente das redes sociais. A Abraji entende que registrar na polícia comportamentos abusivos e eventualmente buscar seus direitos na Justiça são meios de mostrar aos agressores que há consequências para a violência praticada na internet.

A publicação foi produzida pelos jornalistas Marcela Donini e Moreno Osório, do Farol Jornalismo, com supervisão da diretoria da Abraji. Foram consultados especialistas em segurança digital, segurança de jornalistas, crimes cibernéticos, gestão de crise, além de advogados, entre outras fontes. Também foram ouvidos repórteres e editores que sofreram assédio on-line no exercício da profissão.

Fonte: Site Abraji

Comunicação pública fortalecida é instrumento contra fake news

Reflexão foi compartilhada pela Patrícia Roedel, da ABCPública, durante o seminário Reboot 2019

A comunicação pública precisa se fortalecer muito mais neste momento em que todos são comunicadores potenciais e há uma profusão de “fake news”, sem balizamento da fonte. Essa foi uma das principais conclusões da integrante da ABCPública Patricia Roedel, que participou do seminário de comunicação Reboot 2019 como palestrante e debatedora.

Abordando o tema “O desafio de transparência no novo portal da Câmara dos Deputados”, a jornalista, que coordena o processo de mudanças do portal, salientou que a transparência das informações nas fontes primárias e a linguagem simples — pilares da comunicação pública — são formas de mitigar as fake news, já que a fonte primária de informação é utilizada não apenas pelo cidadão comum, mas também pela imprensa e sites analíticos.

Patricia  salientou a importância, no novo portal da Câmara, das ferramentas de participação integradas transversalmente ao conteúdo. Para ela, é uma forma de combater o que, já na década de 60, os teóricos da comunicação chamavam de disfunção narcotizante, que ocorre quando a mera leitura de um excesso de informações e a simples expressão de sua opinião fazem com que o cidadão se sinta partícipe do processo político, sem que na realidade tenha qualquer influência. “Na década de 60, Lazarsfeld e Merton já haviam cunhado essa expressão, quando tudo o que o cidadão tinha eram três jornais, rádio e TV. Imaginem como a profusão atual de informações amplia essa disfunção no que se refere ao debate de leis. Nem estou me referindo ao “idiota da aldeia” aqui. A existência de canais de participação e diálogo no portal da Câmara permite que a opinião do cidadão seja direcionada ao receptor correto, quebrando essa disfunção”, apontou.

A jornalista mostrou as novas funcionalidades do portal e falou sobre como foi o desafio de quebrar tecnicidades para dialogar com o cidadão comum interessado em política, e não apenas com especialistas. O novo portal da Câmara foi reformulado em sua arquitetura, que se tornou mais simples e intuitiva; na linguagem, que foi simplificada e está mais imagética; na adição de vídeos explicativos, glossários e páginas educativas; e na criação de páginas de transparência com dados gráficos. “Porém, o mais importante virá em março, com o lançamento da ficha de tramitação amigável, que vai permitir o acompanhamento fácil dos projetos de lei, de uma forma visual”, explicou.

Sobre o desafio de transparência, ela afirmou: “Alguns deputados se ressentiram do excesso de transparência. Mas é uma mudança de cultura e de costumes. Não acredito que a Presidência ou a alta administração da Casa volte atrás. Estão sintonizados com as demandas da sociedade, que está cobrando muito mais”, acredita.

“A comunicação pública é um direito dos cidadãos assegurado pelo artigo 5º da Constituição, e se contrapõe a interesses de Estado ou particulares. Na dúvida entre o interesse público, estatal ou particular, o público deve prevalecer”, argumentou.

Foto: Genilson Frazão

Integrante da ABCPública fala sobre o desafio de dar transparência ao maior portal legislativo do país

Patrícia Roedel gerencia o projeto de reformulação do site da Câmara dos Deputados

A jornalista Patrícia Roedel será uma das participantes do Reboot – Seminário de Marketing Político e Comunicação, que vai discutir temas que norteiam a política como a comunicação, o marketing e as novas tecnologias. O evento acontecerá em Brasília, nos dias 25 e 26 de fevereiro.

Integrante da ABCPública, Patrícia Roedel gerencia o projeto do novo portal da Câmara dos Deputados, lançado em janeiro deste ano. Ela vai compartilhar as experiências da equipe no desafio de dar mais transparência às informações disponíveis no portal e condições de participação popular.

Evento – Entre os palestrantes estão a líder de projetos digitais e estrategista Jimena Rosli, que vai abordar a sua experiência na comunicação do Cambiemos, na Argentina, e apresentar cases da campanha eleitoral e do mandato do presidente Maurício Macri, em 2015, da qual participou; Bruno Scartozzoni, especialista em storytelling, que vai falar sobre a importância e desafios do storytelling na comunicação política; Gabriel Ishida vai abordar o uso e a inteligência de dados na comunicação política; e Eden Wiedemann, vai tratar de mobilização, ativação, engajamento e resultados.

Além do painel com Patrícia Roedel, da ABCPública, que irá falar sobre o desafio de transparência na Câmara dos Deputados, Leandro Grôppo vai falar das estratégias de marketing usadas na campanha de Romeu Zema ao Governo de Minas Gerais. O Reboot ainda terá o painel Elas No Poder, sobre a participação das mulheres na política, um debate entre parlamentares com diferentes posições ideológicas, mediado por Sandro Gianelli

Mais informações sobre o evento, que está com as inscrições encerradas, no site https://www.seminarioreboot.com.br/.

Fonte: Com informações do site Seminário Reboot

Conheça os instrutores do programa avançado em comunicação pública

Curso está com inscrições abertas e começa em março



Dezesseis profissionais formam a equipe de instrutores do programa avançado em comunicação pública, promovido pela Aberje e ABCPública. O primeiro dos dez módulos do curso será em março.

Os instrutores do curso são:
– Andrew Greenlees, sócio-fundador da FLAG Public Affairs
– Armando Medeiros Faria, ex-diretor de comunicação do Banco do Brasil, consultor e coordenador de projetos especiais da LS Comunicação
– Bob Vieira da Costa, ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social no governo de Fernando Henrique Cardoso
– Carlos Neto, pós-doutorando em comunicação empresarial pela Universidade de São Paulo
– Cláudia Lemos, sócia-fundadora do Fórum Nacional de Comunicação e Justiça e da ABCPública, ex-secretária de comunicação do Ministério Público Federal, jornalista na TV Câmara
– Emiliana Pomarico, gerente executiva da Escola Aberje de Comunicação
– Érica Abe, estrategista de mídias sociais de vários órgãos públicos federais, diretora de estratégia digital da Vertical Pública da FCB Comunicação (Brasília)
– Fábio Santos, ex-secretário Especial de Comunicação da cidade de São Paulo
– Hamilton dos Santos, diretor-geral da Aberje
– Jorge Duarte, diretor da ABCPública, ex-diretor de comunicação pública da Presidência da República, gerente de comunicação estratégica da Embrapa
– Paulo Henrique Soares, integra a lista dos 100 comunicadores mais influentes do mundo, diretor de comunicação do IBRAIM – Instituto Brasileiro de Mineração
– Paulo Nassar, diretor-presidente da Aberje e professor titular da ECA/USP
– Renato Janine Ribeiro, ex-ministro da Educação e professor titular de ética e Filosofia Política da USP
– Suzel Figueira, especialista em pesquisa de mercado, sócia-fundadora da Ideafix Pesquisas Corporativas
– Thomas Traumann, ex-ministro da comunicação social da Presidência da República entre 2011 e 2015

O curso é voltado a profissionais de comunicação da área pública e terceiro setor e busca subsidiar os participantes para que possam construir práticas de comunicação que atendam às necessidades de informação e interação de governos com os cidadãos e os diversos segmentos da sociedade.

O curso será realizado na sede da Aberje, em São Paulo, com um total de 80 horas, dividido em dez módulos. As aulas acontecem aos sábados, uma vez ao mês, de março a dezembro. Associados da Aberje e da ABCPública têm desconto na matricula.

Programação
As aulas acontecem aos sábados, das 9h às 18h (8 horas)

Módulo 1: Comunicação Pública: novos olhares, novas práticas
Data: 23 de março
Mediadores: Paulo Nassar, Hamilton dos Santos
Palestrantes: Thomas Traumann, Andrew Greenlees, Fábio Souza dos Santos

Módulo 2: Estratégia e Planejamento em Comunicação Pública
Data: 06 de abril
Instrutora: Cláudia Lemos e Bob Vieira da Costa

Módulo 3: Mensuração da Comunicação na área pública
Data: 04 de maio
Instrutora: Suzel Figueiredo

Módulo 4: Gestão de equipes, estruturas e processos de comunicação pública
Data: 01 de junho
Instrutora: Vivian Rio Stella

Módulo 5: Gestão da Comunicação Interna: informação e diálogo com empregados da área pública
Data: 13 de julho
instrutor: Paulo Henrique Soares

Módulo 6: Gestão de publicidade, marketing e patrocínio
Data: 03 de agosto
Instrutor: Rodolfo Araújo

Módulo 7: Comunicação Pública Digital: gestão, estratégias e operacionalização
Data: 21 de setembro
Instrutora: Érica Abe

Módulo 8: Comunicação Pública e relações com as mídias: muito além de assessoria de imprensa
Data: 05 de outubro
Instrutor: Jorge Duarte

Módulo 9: Gestão de riscos e crises em comunicação: uma agenda permanente
Data: 09 de novembro
Instrutor: Armando Medeiros

Módulo 10: Cases apresentados pelos alunos do curso
Data: 07 de dezembro
Coordenação: Jorge Duarte e Emiliana Pomarico

Inscrições – Informações completas e inscrições estão no site: www.aberje.com.br/compublica.

Fonte: Com informações da Aberje 

Com foco no direito do cidadão à informação, à participação e no dever do Estado de prestar contas de suas ações, foi criada a Associação Brasileira de Comunicação Pública - ABCPública.